Curitiba - PR - (41) 3242-8371
São Paulo - SP - (11) 2309-0210

Tratamento a Laser


 

INTRODUÇÃO

Nos últimos 30 anos o laser de baixa potência vem sendo usado para o tratamento de feridas de difícil cicatrização. Observou-se, nestes pacientes, o crescimento de pêlos mais grossos e compridos no local de aplicação do laser. Desde então, iniciaram-se pesquisas usando o laser para o tratamento da calvície. Os primeiros trabalhos publicados na área capilar datam de 2001, com resultados significativos.


DEFINIÇÃO

O laser de baixa potência, recebe este nome por atingir a potência de 1 a 500 miliwatts(mw), ao contrário dos lasers de alta potência que atingem 3000 a 10.000mw. Também é chamado de Laser Frio, pois não gera aquecimento dos tecidos, não provocando qualquer tipo de dano térmico no local aplicado. Pela baixa potência, não apresenta efeito carcinogênico ou ionizante.


MECANISMO DE AÇÃO

O mecanismo de ação dos lasers de baixa potência é o de FOTOBIOESTIMULAÇÃO. A luz do laser penetra no local aplicado, atinge as células, e estimula seu metabolismo( há um aumento da produção de ATP pelas mitocôndrias). Isto se traduz em um melhor aproveitamento dos nutrientes, uma melhor eliminação de toxinas, em aceleração da divisão celular, aceleração do crescimento epitelial com melhor cicatrização, em aumento de síntese protéica, em redução de inflamação, e em estimulação do crescimento dos pêlos.

O exemplo mais comum de fotobioestimulação é a fotossíntese, quando as plantas utilizam a luz solar para produzirem energia química.

Outro mecanismo de ação dos lasers de baixa potência é a ativação da microcirculação arterial, melhorando o suprimento de sangue e oxigênio para as células. Há também aumento do fluxo de retorno venoso e linfático, resultando na redução de edemas pós-inflamatórios.


TIPOS DE LASER

Há vários tipos de lasers de baixa potência. O usado para o tratamento da queda de cabelos é o Laser de DIODO no comprimento de onda de 655 nanômetros(nm) com potência de 5 mw . Estes lasers para tratamento capilar podem ser portáteis, conhecidos como "escova a laser" ou lasers de cabine. Há também outro tratamento a base de luz de diodo chamado LED, que ainda não tem a liberação de uso para calvície pelo FDA, no comprimento de onda de 635nm com potência de 11mw. O tipo ,e duração do tratamento a ser usado, é indicado pelo médico especialista. Este também avaliará a necessidade de outras formas de tratamentos complementares, como loções capilares, medicamentos via oral ou cirurgia de transplante de cabelos.


INDICAÇÕES DO USO 

- Redução da progressão das Alopecias Androgenéticas Masculina e feminina em graus iniciais e intermediários, pois o laser vai atuar nas raízes que ainda estão vivas. Infelizmente não há tratamento clínico que reative um folículo que já entrou em estado fibrótico. Em locais onde já não há mais cabelos, a única forma de tratamento é o transplante capilar;

- O laser de baixa voltagem não é um tratamento para substituir as terapias existentes que já tem comprovação científica e prática de eficácia, como o finasteride e a loção de minoxidil. É mais uma forma de tratamento que fará um efeito sinérgico com as demais. 

- Tratamento de eflúvio telógeno agudo, onde ocorre a queda temporária dos cabelos em situações como no pós parto, pós cirurgia, pós emagrecimento importante, pós anemia, pós estresse, pós uso de certos medicamentos, pós doenças de tireóide, entre outros;

- Pós Cirurgia de Transplante Capilar, para acelerar a cicatrização e eliminação das crostas e ajudar no crescimento dos fios transplantados.

- Como coadjuvante no tratamento da Dermatite seborreica de couro cabeludo, pois a ação anti-inflamatória do laser reduz a oleosidade e o prurido da região tratada.


FORMA DE USO

A aplicação deve ser feita 3 vezes por semana durante 15 minutos por 3 a 6 meses.

O tratamento da queda dos cabelos com laser de baixa potência é totalmente indolor, não tóxico, não invasivo, sem qualquer tipo de efeito colateral. Já é autorizado pelo FDA e já vem sendo empregado pelas melhoras clínicas de tratamento de calvície americanas. Fazendo o tratamento correto, os pacientes podem ter cabelos mais grossos, com mais volume, com mais brilho e mais saudáveis.

Qualquer tratamento não cirúrgico age na raíz ainda "viva". A figura abaixo mostra as fases do ciclo dos cabelos em que a escova a laser ou LED podem ativar o crescimento dos mesmos.

FASE 01- Pêlo em fase anágena (crescimento). A escova a laser ou LED atuam muito bem nesta fase estimulando o metabolismo da raiz e a vascularização.

FASE 02- Pêlo em fase telógena (queda). A escova a laser ou LED atuam bem nesta fase, estimulando o crescimento do novo pêlo que está por vir.

FASE 03 - Pêlo miniaturizado (em fase de atrofia). A escova a laser ou LED podem recuperar a vitalidade deste tipo de pêlo, fazendo com que ele volte a engrossar parcialmente.

FASE 04 - Não há mais raiz "viva" . A escova a laser ou LED não atuam. Não há como reativar uma raíz que já não existe mais.

 

Av. Presidente Getúlio Vargas, 4089 - CEP: 80240-041. - Curitiba - PR - (41) 3242-8371

Av. Pedroso de Morais, 1619 - cj 309 - CEP: 05419-001. - São Paulo - SP - (11) 2309-0210