Curitiba:

Rua Pedro Collere, 35, esquina com Av. Presidente Getúlio Vargas

São Paulo (Unidade 1):

Av. Pedroso de Morais, 2350 - Alto de Pinheiros

São Paulo (Unidade 2):

Av. Pedroso de Morais, 1619 - cj 309

Calvície Feminina

Definição

Nas mulheres o processo de rarefação é  difuso, a perda ocorre na região central e superior do couro cabeludo, sem afetar a linha anterior de implantação dos cabelos. Há a transformação de um pêlo terminal grosso em velus ( penugem ). É também conhecida como Alopecia Androgenética Feminina ou Padrão Feminino de Perda de cabelos.

Etiologia (Causas)

A calvície feminina é tão comum quanto a masculina, porém menos severa, e de uma apresentação clínica totalmente diferente.

O início é gradual e cerca de 25% das mulheres entre 25 e 40 anos, e 50% das mulheres acima dos 40 anos, apresentam algum grau de calvície. Como na masculina, há também uma predisposição genética autossômica dominante, transmitida por ambos os pais, não somente pelo lado materno. Somente 20% dos casos têm história familiar positiva.

A causa é considerada multi-fatorial, sabendo-se que também ocorre a conversão da testosterona ( hormônio masculino que também circula nas mulheres, porém em uma quantidade menor do que a dos homens ) para DHT ( dihidrotestosterona ), através da enzima 5 alfa redutase. Nas mulheres os andrógenos ( hormônios masculinos ) são produzidos nas glândulas supra-renais e nos ovários. As mulheres tem 3,5 vezes menos 5 alfa redutase do que os homens, mas esta enzima também se encontra em maior concentração na região frontal, explicando o início da rarefação capilar neste local.

Na maioria das vezes, não se detectam aumentos hormonais masculinos na corrente sangüínea. O que ocorre é uma sensibilidade dos receptores celulares à DHT, desencadeando o processo de miniaturização ( diminuição do diâmetro e tamanho da haste dos fios e redução da fase de crescimento dos mesmos ) dos fios.

Os fatores desencadeantes podem ser: desordem hormonal, incluindo início ou interrupção de uso de anticoncepcional, pós-parto e período peri e pós menopausa.

Diagnóstico

Para um diagnóstico preciso da calvície feminina, sempre devemos afastar qualquer outra causa que gere uma queda abrupta de cabelos. As mais comuns são: anemia por deficiência de ferro, dieta alimentar restritiva, doenças da tireóide, alterações hormonais com aumento de hormônios masculinos, início ou interrupção do uso de anticoncepcionais orais, período pós-parto, uso de alguns medicamentos, estados pós cirúrgicos ou pós estresses. Para isso, a paciente deve ser submetida a uma detalhada história clínica, exame físico e a exames laboratoriais.

Ao exame clínico não se encontra uma área totalmente calva ou entradas, como nos homens. A linha anterior dos cabelos permanece em seu local original. Esse fato se dá pela presença de uma enzima chamada aromatase que transforma a testosterona em estradiol ( hormônio feminino ) e a androstenediona, andrógeno presente em maior concentração na mulher, em estrona ( hormônio feminino ), protegendo os fios desta região de sofrerem o processo de miniaturização. As mulheres possuem uma concentração de aromatase 6 vezes maior do que os homens. Os hormônios femininos protegem as mulheres da calvície, e é pela presença destes hormônios que a apresentação clínica das mulheres é tão diferente da dos homens.

A principal queixa das pacientes do sexo feminino é conseguir visualizar o couro cabeludo através dos fios de cabelo, quando se olham de frente no espelho. A calvície feminina é classificada em 3 tipos principais segundo Ludwig, e em 8 tipos segundo Savin. A classificação é baseada na rarefação capilar que se inicia na linha de divisão dos cabelos, e que evolui lateralmente acometendo toda a superfície superior do couro cabeludo.

Tratamento

Uma vez feito o diagnóstico, há 3 possibilidades de tratamento, de acordo com a indicação do médico especialista. O clínico, o cirúrgico, ou a associação de ambos.

O tratamento clínico consiste no uso contínuo de loções capilares, cápsulas de vitaminas específicas, medicamentos anti-hormônios masculinos (quando necessário); shampoo fortificante,  e um novo aliado  recente, o laser de baixa potência. Para a avaliar  sua eficácia, o  tratamento associado deve respeitar as fases do ciclo de crescimento dos cabelos e isso se dá após um período mínimo de 6 a 8 meses.

O tratamento cirúrgico é o transplante capilar, especialidade da Clínica Muricy, que utiliza  a técnica das megassessões com o transplante do maior número possível de fios em uma única cirurgia, dependendo da densidade e elasticidade da área doadora de cada paciente.

Como pode ocorrer diminuição da densidade capilar também na região occipital, nem sempre as mulheres tem indicação para o transplante de cabelos, pois é deste local que se obtém as unidades foliculares . Quando há indicação cirúrgica, deve-se analisar a densidade e a elasticidade desta área posterior  para fazer um bom planejamento cirúrgico. Na maioria dos casos femininos, a quantidade de fios doadores é insuficiente para se cobrir toda a área rarefeita, sendo muito importante  estabelecer uma área prioritária para a colocação das unidades foliculares, de acordo com o estilo de penteado de cada paciente. Dessa forma, se consegue um efeito cosmético de camuflagem das outras áreas, quando os fios se sobrepõem.

DEVEMOS SALIENTAR, QUE MESMO A PACIENTE OPTANDO PELA CIRURGIA, ELA DEVE SEMPRE SEGUIR UM TRATAMENTO CLÍNICO PÓS-CIRÚRGICO ORIENTADO POR NOSSA EQUIPE. Isto fará com que o resultado cosmético obtido após a cirurgia se prolongue por mais tempo. Caso não haja um acompanhamento clínico, a tendência é de a paciente voltar a apresentar uma rarefação capilar com o passar dos anos, pois os fios não transplantados tendem a sofrer o processo da calvície.

No pós-operatório pode haver uma queda de cabelos não transplantados (efluvio telógeno). Isto se deve ao fato da paciente ter sido submetida a uma cirurgia; de terem sido feitas milhares de incisões entre os fios de cabelos; de haver micro traumas na circulação sangüínea  e do próprio processo de cicatrização. NÃO HÁ LESÃO DAS RAÍZES PRÉ-EXISTENTES. Estes cabelos voltam a nascer junto com os fios transplantados. Por isso mulheres necessitam de um apoio psicológico, com suporte médico, para realizar este tipo de procedimento. Há necessidade de um acompanhamento pós-operatório para assegurar estas pacientes da evolução natural deste tipo de cirurgia.

Informação
Para um diagnóstico preciso da calvície feminina, sempre devemos afastar qualquer outra causa que gere uma queda abrupta de cabelos.